terça-feira, setembro 25, 2007

Protect me from what I want...


É miserável.
Essa forma eloqüente de me infernizar.
Esse inferno ácido que sou eu caminhando.
Eu não sou simpática.
Eu não sou empática quando eu não quero.
É miserável.
Todos aqueles que tocaram meu corpo são miseráveis em sua ausência.
Cansei de gente louca tentando me foder, cansei de gente burra e bela tentando me perturbar.
Eu não quero mais esses boçais onde meus olhos podem ver.
Eu não quero mais as bacantes, eu não quero mais os ardentes “marxistas”, tão sedutores em suas contradições revolucionárias e seus semblantes de “homem-feito” atrás de suas barbas cheias.
Eu preciso me livrar da beleza antes que ela me torne uma tola.
E tola eu não posso ser diante de tanta reação austera.
Não acredito mais no verde daqueles olhos.
Não acredito mais na devoção daquela menina gorda.
Não acredito mais na respiração ofegante ao meu lado no escuro do meu quarto.
Não quero mais ser alvo duma libido cretina.
Não quero mais o palhaço dos olhos escuros, não quero mais o jornalista dos olhos verdes, não quero mais a menina rechonchuda das mãos hábeis.
Renuncio ao gozo, desisto da fascinação.
E não há mais mágoa.
Me recuso.
É miserável.

4 comentários:

disse...

Eu pertenço a classe dos boçais!
mimimi...

Sir Alain de Paula Sakurazuka disse...

Morte ás bacantes, hehehe... =P

Cadeira. disse...

As cores não precisam mudar, por hora. Acho que elas estão, no momento, em tons pastéis, neutras como um dia morno.
Melhor seria: "cores de Almodóvar".

A completa negação é uma visão tão bela quanto utópica. Revelar-se sóbrio diante da embriaguez do mundo é... Aliás, não é. Não pode. Não dá. A não ser por alguns instantes de cinza.

Certo.
Adorei o texto.

Lênon Kramer disse...

nihil est (só pra bancar o pimba e citar em latim)

mas, falando sério...
(se é que queres ouvir minha opinião...)

se não fossem esses tolos belas, que seria da vida? o que seria da alegria de viver se não fossem as inutilidades, as futilidades.

como o deus wilde falou:
"artista é aquele que produz coisas belas. (...) toda arte é completamente inútil."
(amo wilde. eu daria pra ele!)

[cantada tosca só de farra mode on]
você fica tão linda quando tá irritada.
^^
[cantada tosca só de farra mode off]

;p

mas, anyway, só o que digo é: divirta-se. porque se você optar pelo caminho da náusea, a única solução é nihil, o nada, a morte.

e vai saber se afinal os hindus por acaso estavam certos e quando você morre você reencarna. então até o suicídio é inútil.

ou então tudo acaba mesmo, e daí é um belo game over, desligue o videogame e vá dormir.

mas não tem graça nenhuma ficar blasé em relação ao mundo e não se divertir em nada e continuar nele.

^^

espero que tenha te enchido o saco.

beijos